terça-feira, 30 de novembro de 2021

TUTÓIA: informativo sobre vacinas

 


POLÍTICA: Governador Flavio Dino escolhe Brandão como seu candidato no pleito vindouro


Durante reunião, na noite desta segunda-feira (29.11.2021), com os treze partidos que fazem parte da sua base, o governador Flávio Dino manifestou seu apoio ao vice-governador Carlos Brandão para sucedê-lo. Porém, nova reunião deve ocorrer no dia 31 de janeiro para que haja, em grupo, uma decisão em busca da construção da unidade.


No início da sua fala, o governador Flávio Dino manifestou seu desejo pessoal de apoiar Carlos Brandão e que fosse formada a unidade em torno do nome do tucano. No entanto, disse que seu posicionamento não seria imposição a nenhum dos pré-candidatos, como já havia afirmado hoje pela manhã.

Em seguida, o presidente do PCdoB, Márcio Jerry, reiterou a unidade do campo político liderado pelo governador Flávio Dino no processo sucessório do próximo ano.


Logo após, foi a vez da senadora Eliziane Gama (Cidadania) e do presidente nacional do PP, André Fufuca, utilizarem a fala. Os dois defenderam o nome do senador Weverton e pediram o adiamento da escolha.


“Vamos manter nossa pré candidatura a GOVERNADOR e levar aos nossos apoiadores e a executiva nacional do Solidariedade para deliberar sobre 2022”, disse Simplício Araújo.




segunda-feira, 29 de novembro de 2021

ARTIGO: Fetram realiza a 7ª Plenária Estadual com o tema Serviço Público: Realidade e Desafios com representação de sindicatos de inúmeros municípios maranhenses



A 7ª Plenária Estadual da FETRAM, aconteceu nos dias 26 27 de novembro do ano 2021, na sede da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras do Estado do Maranhão - FETAEMA, com o tema SERVIÇO PÚBLICO: realidade e desafios e eixos temáticos muito relevantes foram debatidos na Plenária: Análise de Conjuntura Nacional, Estadual e Municipal; Registro Sindical; PECS 32/23 e Precatórios; Terceirização na Administração Pública; lançamento da Campanha Salarial 2022 dos Servidores Públicos Municipais; Piso Salarial e Carga Horária da Enfermagem; Servidores da Educação na Pandemia; e, Brigadas Digitais.


Os ataques ao serviço público e ao servidor público foram temas centrais em todas as falas, evidenciado nos muitos discursos de ódio tentam criminalizar o serviço público de carreira. 


O Serviço Público, sabido por todos, é muito importante para a garantia do estado democrático de direito. São estes servidores públicos que realizam e garantem a qualidade dos serviços nas áreas da segurança pública, da assistência social, da organização administrativa, do controle social através de fiscalização da atuação dos governos, da saúde e da educação. Os dois últimos, considerados os mais importantes para a vida, pois são base para os outros aspectos necessários à sobrevivência humana se efetive com qualidade.


Esta 7ª Plenária Estadual da FETRAM fica positivamente registrada como um dos eventos mais importantes da Federação porque trouxe para o debate do serviço uma gama de nomes e instituições variadas, como o Tribunal de Contas do Estado-TCE, com participação do conselheiro Washington Oliveira, a Coordenadoria das Delegacias da Mulher no Maranhão,  representada por Delegada titular da pasta Kazumi Tanaka, a Secretaria de Estado de Educação, com participação do Secretário Felipe Camarão, de Gabinetes de Deputados Estadual e Federal, da Presidente da CONFETAM, a Presidenta da CONFETAM - Confederação Nacional do Serviço Público, a catarinense Jucélia Vargas, e, o  auditor da Controladoria Geral da União - CGU, Welliton Resende. Uma plateia plural que contemplou todo o estado do Maranhão de norte a sul, desde Tutóia a São Félix de Balsas, com presença e participação efetiva de presidentes de sindicatos e vereadores sindicalistas de mais de 60 municípios representados em mais de quatro dezenas de sindicatos. Além da Assessoria Jurídica - o Dr. Nestor Sá e o Dr. Walkmar Neto - e de toda a direção executiva da FETRAM. Daí o destaque para o dinamismo da Diretoria e da Presidência da FETRAM em reunir num só evento representações da política sindical, da política partidária e dos órgãos de controle, assim mais uma vez o debate revelou-se num espaço democrático de conhecimento e de entendimentos para enfrentamento do atual momento.



O Presidente Joenesson Santana fez a abertura oficial do na noite do dia 26 e disse da felicidade de, aos poucos, as atividades irem voltando ao normal e da importância da luta sindical para a preservação do serviço público. 


O presidente destacou em sua fala “com objetivo de fortalecer a luta frente ao atual momento, onde o governo federal e seus aliados idealizam e colocam em prática medidas com retirada de direitos e precarização no exercício dos serviços públicos, mais de 50 sindicatos representantes mais de 60 municípios, que compõem a grande ilha e municípios do interior, realizamos com sucesso a 7ª Plenária Estadual. A expectativa superada, foi uma grande alegria nos encontrarmos com nossos amigos e companheiros de lutas, é necessário mais do que nunca, a união do movimento sindical com seus sindicatos de base, federação, confederação e central sindical, atuando em parceria com outras entidades do campo social, e ter a noção de que todos compõem uma só classe, pois não existe saída para uma categoria de forma isolada”, disse o presidente da FETRAM, Joenesson Santana.


Destacamos a seguir os pontos mais relevantes no discurso dos palestrantes: 


A Delegada Kazumi Tanaka agradeceu e explicou “não tenho como não ajustar a minha agenda para que esteja aqui presente com vocês. Já tive, inclusive, há poucos meses num encontro online que nós tivemos também com as trabalhadoras dos mais diversos municípios do nosso Estado e sempre me disponho, por que sei o quanto é importante o diálogo nestes momentos que a gente tem para trazer algumas reflexões especialmente para este período agora que estamos no período de 21 dias de ativismo no combate à violência contra a mulher. Não há como deixar de fazer essa marcação sobre o quanto precisamos nos envolver e quanto essa pauta precisa estar presente em todas as discussões” foi enfática a Delegada.


O conselheiro Washington destacou a importância dos sindicatos na fiscalização da atuação dos gestores públicos na luta contra a corrupção no serviço público, “nós precisamos de aliados na sociedade para que de fato a gente possa cumprir esse papel, por isso, eu queria destacar que nos deslocamos em todo o estado do Maranhão na questão da luta contra a corrupção, mas fundamentalmente a luta pela aplicação correta dos recursos públicos. Hoje à frente do Tribunal quero dizer que estou fazendo um esforço muito grande para aproximar o Tribunal de Contas da sociedade e, principalmente, do movimento social como um todo. [...] dizer para vocês que estamos organizando e estimulando, dentro do Tribunal de Contas, um setor que vai acompanhar a formação e ação dos conselhos de políticas sociais, importantes conselhos constituídos a partir da Constituição de 88, na fiscalização. [...] especialmente, pela forma mal intencionada de alguns gestores e omissão de algumas pessoas, nós precisamos reforçar esses conselhos. [...] Por que o papel do Tribunal de Contas não pode ser passivo ele tem que estar presente nos municípios e os conselhos são como se fosse longos braços do Tribunal de Contas, para acompanhar como o recurso público está sendo aplicado e vamos trabalhar efetivamente para que isto ocorra. E, com certeza, os sindicatos de Servidores Municipais nos fazem um papel relevante nesse processo. [...] Eu fui sindicalista durante sete anos. [...] O sindicato precisa estar presente ali nas lutas das nossas categorias, mas a minha visão como sindicalista era de que o movimento sindical não pode ser corporativo, mas o movimento sindical tem que ser classista e tem que ser também de uma luta de todos aqueles trabalhadores que querem uma condição de vida melhor e uma sociedade mais justa mais igualitária. É nesse sentido que vejo o papel do sindicalismo e gostaria muito de contar com vocês. Vou buscar essa ação militante atuante do movimento sindical e principalmente dos sindicatos de servidores públicos municipais [para ajudar o Tribunal na correta fiscalização]", disse o Presidente do TCE. 


O auditor Welliton Resende, informou que “encontramos muitos casos e nas operações que realizamos e constam em nossos relatórios casos de corrupção. Exemplo, atuamos em 23 operações junto com a Polícia Federal e encontramos quadrilhas enormes que desviam recursos públicos em nossos municípios. E nós temos a obrigação de lutar contra a corrupção porque se o dinheiro for desviado nem o nosso salário vai ser pago. [...] Há enormes desafios para ter um serviço público de qualidade, por isso, acho que é preciso que o servidor público seja resolutivo e possa cumprir o seu papel. E precisamos motivar e engajar nossos servidores para fiscalizar. E, principalmente, superar a crise de confiança nos nossos gestores. Chega informação para nós de que há gestores que são desonestos e o papel dos sindicatos é combater este comportamento” foi enfático.


Felipe Camarão, Secretário de Estado de Educação, ressaltou com muita inteligência, didática e também em forma de alerta de que vive-se no Brasil - com efeito no estado e nos municípios - “a maior crise política, econômica e sanitária que se tem registro em livros” na história do país, observou. 


Camarão, disse mais, “os governos têm, companheiro Osmar, a tendência de de criminalizar o servidor público, por que para esses governos ditos de direita ou conservadores, o modelo de estado deve ser um modelo empresarial, um modelo liberal ou neoliberal como eles querem chamar agora, de gestão por resultados, em que os servidores públicos não não podem e não devem gozar de estabilidade, devem apresentar metas e devem trabalhar como se fosse uma empresa privada. Até aí, ter metas e apresentar resultados para a sociedade, isso todos nós aqui fazemos e concordamos. O problema é quando eles entram no campo da criminalização, no campo de retirar direitos e garantias que envolvem, justamente, a prestação de serviço. Porque lá é assim, se o professor está em sala de aula e emite sua opinião política ele é demitido, porque falou mal do presidente da república, por exemplo. [...] no plano nacional, no plano estadual e no plano municipal um grupo de políticos não gosta de servidores públicos de carreira [...] por isso é preciso ocupar um espaço de poder, porque como se combate isso? ocupando um espaço de poder, não adianta somente ser militante de whatsapp, é preciso coragem para enfrentar a disputa real e ocupar espaço real de poder para fazer aquilo que se defende e acredita [a melhoria do serviço público], senão seremos atropelados e atropeladas pelos que ocupam os espaços de poder. [...] se nós servidores públicos não tivermos representantes de servidores públicos na política para nos defender não será outro que vai isso”, foi enfático. 


Jucélia Vargas fez um retrospecto das lutas por conquistas e reforçou: "nenhum direito nosso foi nos dado, tudo foi conquistado. [...] cada direito nosso tem cheiro de suor e gosto de sangue. [...] tudo teve um preço pago por companheiros e companheiras que não tiveram medo, que ousaram, a não aceitar o momento que estavam vivendo, aquela situação de subserviência, de falta de liberdade, falta de poder ser gente, então nós devemos a estes e a estas que em cada tempo histórico ousaram, a se desafiar, a olhar para o lado e mesmo assim se sentir fraco muitas vezes, como nos sentimos agora, a falta de companheiros e companheiras que às vezes se sentem sozinhos e cansados. Sozinhos nós somos muito frágeis, mas temos que ter a capacidade de buscar um companheiro e uma companheira e é isso que eu quero que vocês levem dessa plenária. Que ela produza! A gente sabe que tem mulher sendo violentada hoje, quem tem um povo negro sofrendo hoje, que tem gente passando fome hoje, mas é aí que a gente precisa construir novas perspectivas. Lembrar que, apesar deles [nossos ancestrais] terem sofrido, eles se desafiaram, criaram estratégias e conquistaram a liberdade. Esses companheiros não desistiram e nós não podemos desistir de jeito nenhum. Governos passam, [...], nós não passamos porque somos servidores públicos. Parabéns a todos por essa plenária” falou em tom encorajador a presidenta da CONFETAM. 


O ponto de maior destaque nesta plenária foi a necessidade dos sindicalistas ocuparem espaços de poder nas Câmaras Legislativas e no Executivo, tendo em vista, que apesar de termos a força de reivindicar, de lutar, da defesa do direito, mas não temos o poder, aquele que determina os rumos do governo, os rumos da atuação de cada servidor público. As redes sociais podem não ajudar a vencer a eleição, mas podem nos fazer perder, destacou o vereador e sindicalista do município de Vargem Grande, Jociedson Aguiar.


Outros vereadores sindicalistas também contribuíram com o evento como Elisilvane de Vitorino Freire, Isaura de Balsas, além de outros. 


Por fim, com base nas discussões, esta Plenária através de sua diretoria executiva discutiu a iniciação de um planejamento para participação efetiva de nossos dirigentes e associados na política de cada município ocupando espaços de poder seja no legislativo ou executivo municipais com a finalidade única de defender o serviço público. A FETRAM tem avançado nessa proposta. A malversação do recurso público por muitos gestores e a perseguição intensificada a servidores públicos nos últimos dois anos por parte de alguns prefeitos levaram a Federação a essa reflexão. Enquanto os sindicatos ficavam somente na defensiva e cobrando uma gestão eficiente, os gestores se valiam de outros artifícios para se desvencilhar das cobranças e atuação da justiça. Nesse limiar, os sindicalistas pretendem iniciar um movimento de ocupação de espaços de poder. Para isso, é preciso que cada servidor público municipal entenda a importância dessa nova diretriz. Foi evidenciado em algumas falas que se os servidores públicos não se unirem e não compreenderem tal importância tanto seja no cenário nacional, estadual e municipal, os atropelos ao serviço público podem ser intensificados, exemplos não faltam como a tramitação da PEC 32 e muitas outras na tentativa de acabar com o servidor público de carreira, a não realização de concursos públicos, entre outras ações nefastas. 

A PEC 32, é uma proposta que “altera 27 trechos da Constituição e introduz 87 novos, sendo quatro artigos inteiros. As principais medidas tratam da contratação, da remuneração e do desligamento de pessoal, válidas somente para quem ingressar no setor público após a aprovação das mudanças. [...] A PEC veda uma série de benefícios e vantagens que, extintos para os atuais ocupantes de cargos na esfera federal, estão vigentes em alguns entes federativos. Ainda na parte sobre remunerações, o texto prevê que lei complementar futura definirá os critérios básicos para definição dos salários, prevendo normas subsidiárias nos entes federativos” (Agência Câmara de Notícias, 2021). Em resumo, a PEC é prejudicial ao serviço público, afeta a todos. 



Depoimentos de alguns representantes de sindicatos que participaram do evento:


“Foi um prazer participar da 7ª Plenária Estadual da FETRAM. A delegação do SINTASP/MCN de Coelho Neto parabeniza o presidente Joenesson pelo evento. Saímos fortalecidos e empoderados para combater quem está tirando onda direito dos trabalhadores. Já estamos aguardando o próximo encontro e a Fetram pode contar com a nossa Instituição. Juntos somos mais fortes contra a PEC 32 e PEC 23”.

Elivanhy Costa, Secretária Geral do Sindicato de Coelho Neto.


“Pela primeira vez que participei de uma Plenária, foi um curso que fiz, um evento bem organizado, um ambiente agradável, uma alimentação maravilhosa. E o melhor de tudo foi o conteúdo da plenária administrado por pessoas que realmente tem  conhecimento e domínio do assunto. Depois deste grande evento, sem dúvida tenho uma visão mais aperfeiçoada sobre a missão e responsabilidade de ser servidor público e está a frente de uma entidade e a importância de ocupar os espaços de poder para buscar as mudanças que queremos. Minha gratidão pela oportunidade. Com a Benção de Deus não fico mais de fora de uma plenária.

Elenilce Roxo, presidente do Sindicato de Turiaçu.



SINDICATOS PRESENTES NA 7ª PLENÁRIA DA FETRAM


  1. Açailândia

  2. Apicum-Açu

  3. Alto Parnaíba

  4. Anapurus

  5. Bacabeiras

  6. Boa Vista do Gurupi 

  7. Bacuri

  8. Balsas

  9. Barreirinhas 

  10. Bequimão

  11. Buriti

  12. Buriticupu

  13. Carolina

  14. Cândido Mendes 

  15. Feira Nova

  16. Coelho Neto (intermunicipal)

  17. Duque Bacelar 

  18. Afonso Cunha 

  19. Fortaleza dos Nogueiras

  20. Godofredo Viana

  21. Mata Roma

  22. Matões

  23. Miranda

  24. Newton Bello

  25. Nina Rodrigues 

  26. Palmeirândia

  27. Pastos Bons (intermunicipal)

  28. Nova Iorque 

  29. São João dos Patos 

  30. Sucupira do Norte 

  31. Pedro do Rosário

  32. Peri Mirim

  33. Presidente Juscelino

  34. Presidente Vargas

  35. Rosário

  36. Santa Rita

  37. São Benedito Rio Preto 

  38. São Félix de Balsas 

  39. São Francisco do Maranhão

  40. São João do Caru

  41. São Luís 

  42. Serrano do Maranhão 

  43. Timbiras 

  44. Turiaçu 

  45. Tutóia (intermunicipal)

  46. Paulino Neves 

  47. Vargem Grande 

  48. Vitorino Freire

  49. Zé Doca




HISTÓRIA DA FETRAM 


A década de 1990, foi marcada como um período de grande exploração e opressão para os funcionalismo público municipal nas cidades do estado do Maranhão. Somente a partir do final desta década é que vão ser realizados os primeiros concursos públicos pelas prefeituras municipais e também passa a se pagar o salário mínimo integral, haja vista, antes não se recebia salário mínimo na maioria dos municípios nas funções ocupadas por funcionários públicos, nem décimo terceiro, enfim, não havia respeito aos servidores. 


A FETRAM teve seu movimento de criação por iniciativa de de dirigentes de seis sindicatos organizados inicialmente A primeira reunião aconteceu na cidade de Viana-MA no ano de 1996. Em 1997, foi organizada a FETRAM com o apoio da CUT, pois já havia sido criado o ramo dos servidores públicos municipais do Brasil e no Estado do Maranhão havia necessidade de uma federação para representar esses servidores municipais. Apesar do movimento ter iniciado ainda no ano de 1996, somente nos dias 20 e 21 de janeiro do ano 2000 teve seu registro efetivado. Nascia ali uma FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO E DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DO ESTADO DO MARANHÃO – FETRAM/CUT-MA, entidade de 2º grau, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, e duração por tempo indeterminado, com sede no município de São Luís – MA, sito à Rua dos Afogados, nº 306 – Centro, para fins de defesa, organização, coordenação, proteção e representação legal e juridicamente da categoria dos Trabalhadores Públicos Municipais que abrange os Municípios do Estado do Maranhão. A base territorial da FEDERAÇÃO corresponde a toda a extensão do território do Estado do Maranhão.


A Federação atualmente tem 54 sindicatos filiados representando 66 municípios maranhenses.


O evento seguiu critérios de protocolos sanitários exigindo a comprovação da vacinação dos participantes e o uso de máscaras de proteção.


Texto: Elivaldo Ramos

Imagens; Elivaldo Ramos e Elcione





(primeiro da mesa, à esquerda) Welliton Resende, auditor da CGU

Secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão





Vereadora Elisilvane de Vitorino Freire



Washington Oliveira, Presidente do TCE

Raimundo Pereira, presidente do SINDSEP-São Luis

Jucélia Vargas, Presidenta da CONFETAM


Joenesson Santana, presidente da FETRAM

Delegada da Mulher, Kazumi Tanaka






domingo, 28 de novembro de 2021

SINSPUTSAMPAN: diretoria participa da 7ª plenária da FETRAM em São Luis com debates importantes sobre o serviço público




A presidente do SINSPUTSAMPAN - Sindicato Intermunicipal de Tutóia e Paulino Neves, Sara Soares, participou - juntamente com os membros da diretoria do sindicato: Tamires Araujo, Laercio Cristiano, Leandro Diniz e Elivaldo Ramos - da 7ª Plenária Estadual da FETRAM - FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO E DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DO ESTADO DO MARANHÃO – FETRAM/CUT-MA.


A 7ª Plenária Estadual da FETRAM, aconteceu nos dias 26 27 de novembro do ano 2021, na sede da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras do Estado do Maranhão - FETAEMA, com o tema SERVIÇO PÚBLICO: realidade e desafios e eixos temáticos muito relevantes foram debatidos na Plenária: Análise de Conjuntura Nacional, Estadual e Municipal; Registro Sindical; PECS 32/23 e Precatórios; Terceirização na Administração Pública; lançamento da Campanha Salarial 2022 dos Servidores Públicos Municipais; Piso Salarial e Carga Horária da Enfermagem; Servidores da Educação na Pandemia; e, Brigadas Digitais.


Os ataques ao serviço público e ao servidor público foram temas centrais em todas as falas, evidenciado nos muitos discursos de ódio tentam criminalizar o serviço público de carreira. 


O Serviço Público, sabido por todos, é muito importante para a garantia do estado democrático de direito. São estes servidores públicos que realizam e garantem a qualidade dos serviços nas áreas da segurança pública, da assistência social, da organização administrativa, do controle social através de fiscalização da atuação dos governos, da saúde e da educação. Os dois últimos, considerados os mais importantes para a vida, pois são base para os outros aspectos necessários à sobrevivência humana se efetive com qualidade.


Sara Soares fez questionamentos sobre os recursos dos precatórios do FUNDEF recebidos pelo município mas já gastos na gestão do ex-prefeito Romildo do Hospital quase que em sua totalidade e pediu esclarecimentos ao jurídico da Federação que explicou que como já foi gasto o recurso fica difícil de se ter uma posição concreta quanto ao rateio desse recurso para os servidores da Educação. A presidente disse que vai divulgar um vídeo nos canais de comunicação oficiais do Sindicato dando mais esclarecimentos sobre o assunto. 


Veja algumas imagens do evento:










ARTIGO: Tecnologias educacionais que ultrapassam os tempos


Elivaldo Ramos, Vereador Jociedson Aguiar, Vereadora Elisilvane, Felipe Camarão, 
Vereadora Isaura e Osmar Aguiar.
Foto: Arquivo da 7ª Plenária da FETRAM, São Luis-MA, 27.11.2021

Estamos atravessando a maior e mais desafiadora crise sanitária de nossas vidas, com profundos impactos que impeliram a Educação a rever caminhos e buscar estratégias para evitar que uma geração se perca sem conhecimento e formação. E, quando me refiro à Educação, não trato isoladamente de seu sentido etimológico, como um meio pelo qual os costumes e valores são transferidos de uma geração para outra. Trato de sua força transformadora e de sua resistência constante, ao longo da história. Afinal, como assinalou Paulo Freire, é impossível viver sem educação, pois “se ela sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”.


Mesmo a distância, a Educação tem o poder de alcance incomensurável. Vide o exemplo do apóstolo Paulo, que difundiu em, aproximadamente, 20 anos, os ensinamentos do evangelho de Cristo, por todo o mundo, com envio de cartas que romperam as barreiras longitudinais da época, mesmo durante o período em que esteve preso. Cartas que deixaram legados, inclusive contribuindo para a formação da cultura ocidental, conforme referências na Bíblia Nova Versão Internacional.


No Brasil, é preciso destacar outro marco histórico da força da educação, com destaque para os jesuítas, que realizaram uma considerável obra missionária e evangelizadora, sobretudo lançando mão de “novas metodologias, das quais a educação escolar foi uma das mais poderosas e eficazes. Em matéria de educação escolar, os jesuítas souberam construir a sua hegemonia”, como ressaltou Sangenis (2004).


Outro período importante e característico para a educação brasileira foi em meados dos anos 80 e 90, quando o Brasil chegou a ser líder, na modalidade de Educação a Distância, como metodologia para a oferta de cursos técnicos e de iniciação profissional, ainda na primeira metade do século XX, em cursos por correspondência, alguns facilmente localizados em listas telefônicas, manuais e revistas vendidos em bancas e livrarias. Posteriormente, esses cursos foram transmitidos em emissoras de rádio, com programas de educação, gravados em vinil e, em seguida, migraram para a televisão, época em que surgiram as iniciativas que ficaram conhecidas como teleducação ou telecursos, quando fundações privadas e demais organizações passaram a oferecer supletivos a distância. É preciso realçar, nesse marco, o papel importante de fundações como a Roberto Marinho e a Roquette Pinto, que trouxeram contribuições significativas para a educação, mediadas por essas tecnologias.


Com o advento da internet e, também, de novas perspectivas pedagógicas, todo esse marco histórico de tecnologias deu lugar às novas tecnologias de informação e comunicação (TICs), que têm um uma forte influência nos interesses dos nossos estudantes e no processo de ensino e da aprendizagem, notadamente com a universalização do acesso à educação presencial, no Brasil e que deram um salto positivo, nos anos finais do século XX e início do século XXI.


Atualmente, poderíamos até questionar: junto com a pandemia do novo coronavírus houve, também, um retrocesso, quando precisamos retomar o ensino a distância, com o uso da TV e do rádio, por exemplo, para preservar a vida de milhares de estudantes, professores e servidores da escola?


Com a utilização de tecnologias educacionais, cada vez mais modernas, a Educação, principalmente no Maranhão, lançou mão de uma multiplicidade de meios com o objetivo principal de democratizar o acesso de todos os estudantes, independente das barreiras impostas pelo distanciamento social – necessário – neste momento, ou das longínquas comunidades deste Estado de extensões territoriais.


O governo Flávio Dino optou por inúmeros caminhos e canais eletrônicos, mídias e impressos para não deixar ninguém para trás. Cito a TV Educação – Caminho para o saber, um canal aberto e exclusivo, já no ar, com exibição de aulas e conteúdos educativos e culturais; aulas pelo rádio, com transmissão diária de podcasts na Rádio Timbira; a plataforma Gonçalves Dias na internet, onde os estudantes têm acesso a conteúdo em vídeo e roteiros de estudo, que irão auxiliá-los na aprendizagem, durante as aulas remotas e pré-vestibular gratuito com qualidade. Além disso, o canal do Youtube da Seduc, redes sociais, como WhatsApp, Instagram, Facebook e plataformas como Google Meet, entre outros; materiais impressos, para quem não tem conectividade e a distribuição de 200 mil chips, com pacotes de dados de internet, a estudantes e professores. Parte dessas ações teve início no passado e foi potencializada para 2021.


São inúmeras ferramentas, entre elas, as que perpassaram e se modernizaram ao longo dos tempos, como a TV e o rádio, veículos de comunicação que, outrora, já auxiliaram no processo educacional e, pelo caráter universal e democrático de ambos, exercem, em momentos como este, uma contribuição fundamental para assegurar o acesso e a manutenção do vínculo estudante e escola, diariamente.


“Os seres humanos não nascem para sempre no dia em que suas mães os acendem, mas a vida os obriga a dar a luz a si mesmos repetidas vezes”, Gabriel García Márquez. Uma das frases que o imortalizaram.


Texto: Felipe Costa Camarão, Professor da UFMA, Secretário de Estado da Educação, Membro Titular do Fórum Nacional de Educação – FNE, Membro da Academia Ludovicense de Letras e Sócio do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. Publicado em: https://www.educacao.ma.gov.br/tecnologias-educacionais-que-ultrapassam-os-tempos/, data de 20.03.2021


MARANHÃO: DELEGADA KAZUMI TANAKA MINISTRA AULA SOBRE VIOLÊNCIA DE GÊNERO PARA GUARDAS MUNICIPAIS EM FORMAÇÃO

Delegada Kazumi Tanaka


Dando seguimento ao Curso de Formação dos Guardas Municipais de Raposa; Coroatá; Buriti Bravo; Magalhães de Almeida e Pedreiras que está sendo realizado no auditório da Secretaria de Segurança Pública (SSP), os agentes tiveram na manhã desta quinta-feira (04) uma aula com a Coordenadora das Delegacias da Mulher no Maranhão, a Delegada Kazumi Tanaka.


O objetivo foi oferecer aos agentes conhecimento, além de discutir acerca de novas perspectivas de abordagem do tema violência contra a mulher e sobre como os guardas devem agir nessas situações.



Em razão disso, foram traçadas estratégias diferenciadas, com a perspectiva de atendimento e do trabalho em rede, visão intersetorial e transversal entre os organismos que trabalham a questão da Violência de Gênero.


“É sempre importante que as forças de segurança tratem desse tema, já que a violência de gênero é uma realidade e precisa ser combatida com agentes capacitados e que saibam lidar da melhor forma fazendo com que essas mulheres vítimas desse tipo de violência se sintam acolhidas”, afirmou.


O curso ofereceu ainda disciplinas teóricas voltadas para a área do direito, direitos humanos e outros ligados à temática de segurança pública e instruções práticas sobre abordagem, desembarque de viaturas, entre outros.



Fonte: ssp.ma.gov.br, 4 DE NOVEMBRO DE 2021, ASCOM-SSP

Fotos: Elivaldo Ramos e Arquivo do Estado do MA

Texto: Elivaldo Ramos, 27.11.2021


WELLITON RESENDE: um apaixonado no combate à corrupção

Welliton Resende e o titular do blog

Ex-auditor do TCE/MA (Tribunal de Contas do Estado do Maranhão), auditor da CGU (Controladoria Geral da União), educador popular, militante do Movimento de Controle Social e Combate à Corrupção do Maranhão.

 

Sempre na linha de frente combatendo a pior enfermidade que assola a nossa sociedade a CORRUPÇÃO. Esse é Welliton Resende um Servidor Público a serviço da moralidade. Veja a entrevista.

 

Como começou o seu interesse por esse movimento de combate à corrupção?

Wellinton - Creio que foi desde o primeiro dia em que comecei a trabalhar no TCE-MA, isto foi em 2001. Até, então, não tinha nem noção do que era esse movimento e o meu trabalho de estréia no Tribunal foi analisar a prestação de contas do Município de Pedreiras. Só aí, pude me deparar com as barbaridades que são cometidas contra o dinheiro público. Depois passei no concurso da CGU e criei o Curso de Formação de Auditores Sociais, onde ia a várias cidades do MA mostrando ao povo como se analisa uma prestação de contas e como se apresenta os resultados ao Ministério Público.

 

 

Você se sente bem em fazer parte desse movimento?

Wellinton - Me sinto extremamente feliz, pois acredito que o Maranhão não é um Estado pobre. Ele é, sim, empobrecido por elites regionais que drenam todos os recursos públicos para o seu proveito pessoal deixando a população totalmente desassistida das políticas públicas.

 

Você admira algum politico no Brasil?

Wellinton - Sim, claro, não podemos generalizar.

 

Você acredita que na politica ainda existem pessoas honestas?

Wellinton - Claro, pois a sociedade é composta por pessoas de boa índole e de má índole. Logo, na Política temos pessoas dos dois segmentos. Mas a nossa realidade atual, é que cada vez mais as pessoas de boa índole são afastadas do processo. Só para que os nossos leitores tenham ideia, cerca de 40% dos nossos deputados e senadores tem problemas com a Justiça e isso é muito grave para a construção da Democracia que é almejada por todo o povo brasileiro.

 

No seu entendimento as instituições de controle como CGU, TCU, TCE e os poderes legislativo e Judiciário estão, de fato, comprometidos em combater a corrupção no Brasil?

Wellinton – A meu ver sim, no entanto, a nossa Justiça ainda é muito lenta e permite muitos recursos, o que acaba contribuindo para aumentar a sensação de impunidade reinante hoje.

 

Em sua opinião como os municípios podem prevenir a corrupção?

Wellinton - Creio que com uma participação mais ativa da sociedade, na cobrança da correta aplicação dos recursos públicos.

 

Porque as prestações de contas de alguns prefeitos são aprovadas pelo TCE-MA, mas no município as ações não aconteceram? Onde estar o erro?

Wellinton - Por que o TCE-MA não tem condições de fiscalizar in loco todos os 217 municípios do Estado e, na maioria, a análise se restringe apenas à prestação de contas, que por sua vez estão repletas de documentos falsificados.

 

Pra você, o que falta melhorar para que se tenha uma boa gestão publica?

Wellinton - Na realidade, creio que quando começarmos a prender todos os prefeitos e prefeitas corruptos a coisa vai começar a melhorar. Hoje, infelizmente, na maioria dos municípios reinam a corrupção e a falta de conhecimento de gestores municipais, o que gera incompetência na gestão.

 

 

Como você vê a participação da sociedade no combate a corrupção?

Wellinton - Sou um defensor apaixonado pelo Controle Social, para mim todo o cidadão tem o dever de acompanhar a destinação de cada centavo transferido aos cofres públicos. Esta é a minha crença de vida.

 

Diante de várias irregularidades que você já presenciou como auditor da CGU, qual foi a que mais lhe chamou atenção?

Wellinton - A mais repugnante para mim foi a de um comerciante que ficava com R$ 5,00 de cada pessoa que ia receber o benefício do Programa Bolsa Família em seu comércio.




Foto Selfie: Elivaldo Ramos, 26.11.2021, na 7ª Plenária Estadual da FETRAM
Fonte: https://blogdocontrolesocial.blogspot.com
Autor: Welliton Resende 

Colaboradores

Arquivo do blog