terça-feira, 2 de maio de 2017

Tutóia: avaliação dos 100 dias do governo - Educação

Nosso “calcanhar de Aquiles” é um desafio, mesmo para um bom gestor da pasta, por conta das muitas influências externas - fruto de muitos combinados políticos que, não sei se ocorre nesta gestão, mas era regra nas gestões passadas. Se ocorre em dias atuais, é um demasiado equívoco.

Há relatos de muitas carências em várias escolas. Desde a merenda escolar ao não pagamento de horas extras por serviço excedente como dos professores de Educação Infantil que deveriam laborar 30 horas semanais e estes estão com 34 a 40 horas. Além de prováveis contratados que estão desde janeiro sem receber. Se procede esta reclamação é sinal de que o governo pode ir muito mal.

Nos grupos de WhatsApp aparecem reclamações sobre falta de ventilação em algumas escolas. E de outras que ainda não iniciaram as aulas regularmente. Pois há relatos que em algumas delas o funcionamento é parcial. Há duas coisas que podem ocorrer nesse caso, ou o ano letivo será estendido ou muitas crianças ficarão prejudicadas.

Noutra ponta, existe uma luta antiga dos servidores pela valorização e pagamento do que está previsto na Legislação Municipal, mas pouco se tem visto do governo em melhorar (horas excedentes, regência, adicionais, gratificações). Não é, ainda, prioridade. 

Uma matéria que li na revista Exame (on line) traz em seu texto o chamado “os números não mentem. No último ranking divulgado pelo Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) 2012, da OCDE, o Brasil ficou em 38º lugar entre 44 países em uma avaliação de raciocínio rápido associado a problemas do dia a dia.” Talvez falte valorização, participação, empenho, gestão (de todos os envolvidos).

Educação precisa ser prioridade. Senão não há como nosso município prosperar.

Até aqui poucas ou quase nenhuma escola recebeu reformas e não se sabe se há um planejamento estratégico, um levantamento das escolas que carecem de reforma e ampliação (são quase todas, haja vista que no governo passado poucas receberam esses serviços).

Há um volume significativo dos 40% dos recursos do FUNDEB creditados desde o início do ano. É preciso saber qual é o calendário de reformas e ampliações e quais escolas receberão prioridade. A escola Monsenhor Hélio Maranhão teve fotos vazadas na rede social mostrando a caótica situação do telhado (uma das salas foi interditada pelo risco de desabamento), aliás, já vi imagens de outras escolas em que há alastramento de cupim na madeira do telhado.

No transporte escolar, alguns ônibus estão em estado precário, por exemplo, um que faz linha de Porto de Areia a Tutóia está com um dos vidros traseiros quebrados colocando em risco crianças menores que transporta. Sobre o transporte terceirizado (empresas licitadas) recaem também queixas. Há comunidades que ainda não receberam o transporte escolar, segundo reclamações.

No final das contas a nossa Educação vai mal e carece estar no centro das discussões estratégicas do governo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Tutoiense nato, professor de Geografia da rede municipal e particular de ensino em Tutóia e Paulino Neves, Licenciado em Geografia pela UESPI e Pós Graduado em Educação Ambiental pelo IESF, Pós Graduado em Gestão Pública Municipal, UEMA, 2016. Este blog é um blog de reportagens de acontecimentos e também de publicação de imagens (fotos). Sou um apaixonado por fotos. Nascido em 1980. Fui presidente de Associação de Moradores do povoado Bezerro (Tutóia-MA). Atualmente estou presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Tutóia, Paulino Neves e Santana do MA. Milito em ações sociais nesses municípios.